sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2011



Em todo lugar lê-se, ouve-se, fala-se sobre o Ano Novo, 2010 indo embora, 2011 chegando...

Sem querer ser repetitiva, mas já sendo, escrevo aqui minhas considerações sobre o assunto.
2010 foi um ano de superação, conquistas e aprendizados. E não posso reclamar de nada. Aprendi muito com tudo que vivi.
Agradeço a Deus por tudo e por ter colocado tantas pessoas boas nos tortuosos caminhos da minha vida.
2011 será um ano de luta e felicidade. Tenho tudo pra conseguir alcançar meus objetivos. Agora, objetivos em comum com uma pessoa mais que especial.
Está tudo bem.
Ficará melhor ainda.

Que 2011 chegue trazendo esperança, saúde e força para muitas realizações, para todos nós.


Beijos, e obrigada por me acompanharem em 2010.


E pra fechar lindamente, Drummond pra vocês:

Receita de Ano Novo


Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.


Texto extraído do "Jornal do Brasil", Dezembro/1997.


domingo, 19 de dezembro de 2010

Todo o sentimento do mundo




"Tenho apenas duas mãos/e o sentimento do mundo" (Drummond)

Com essa citação, sempre comecei vários textos, pelo fato de ser inspiradora.
E há alguns dias, no meu aniversário, recebi um cartão assim:

"EU TE AMO.
Três palavras. Todo o sentimento do mundo."

Recebi este, além de outros cartões, além dos beijos e presentes e presenças.
Mas o que realmente me tocou, e que toca meu coração a todo momento, é perceber a veracidade de tais palavras.
Basta olhar nos olhos dele, pra perceber quão apaixonado está. E o mesmo pra mim.
Ainda tenho medo de ser só sonho, e um dia acordar e perceber que não há mais nada do que sonhei.
Mas no fundo do meu coração, sinto que não preciso ter esse medo.
Sinto que não estou só. Que fazemos "A" diferença na vida um do outro.
Por tudo que já passamos em outras épocas, é praticamente impossível acreditar que nos encontramos. Mas foi um feliz acaso.
Apesar de termos "apenas duas mãos"... o que nos faz melhores e nos faz ser o melhor para o outro é o sentimento.
Essa necessidade de fazer parte da vida do outro, de estar junto, de rir, de sonhar, de fazer planos... isso tudo faz parte de um momento que tem tudo pra se tornar eterno.
E se Deus nos abençoar, será.
Será até o fim de nossas vidas, ou até depois disso.
Porque não há nada que me faça imaginar minha vida sem ele. Longe dele. NUNCA.
Mesmo os empecilhos que existem ou que possam surgir, estamos de mãos dadas.

EU TE AMO.
Muito.
E pra sempre.

(tá, isso é clichè, mas eu tô podendo. rs)


Beijos.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sweet November



É. Acabou. Um mês que foi melhor que muuuuuuuuuuuitos em muuuuuuuuuuito tempo.
Na verdade, a vida começou a ficar realmente boa antes, porém, esse foi um mês especial.
Novembro se vai deixando doces lembranças.
Dezembro chega e traz ares de festa. Aniversário, Natal, Ano Novo... Tudo que deixa a maioria das pessoas felizes. Eu me sinto feliz, não pela data, mas sim por ter pessoas tão especiais na minha vida. Sou grata a Deus por isso, por tudo que vivo hoje, e por tudo que vivi antes.
Um ciclo se fecha agora... 26 anos quase completos... tenho que ter aprendido alguma coisa nesse tempo todo, não?
No ano anterior, nessa mesma época, o sentimento que habitava em mim era totalmente inverso ao que há agora. De agonia, tristeza, lágrimas... Hoje tenho alegria, esperança, sorrisos.
Minha família e meus amigos são peças fundamentais na minha vida. Me ajudaram a me tornar a pessoa que sou hoje. Até meus "desafetos" ajudaram... rs. Obrigada.
Eu me sinto imensamente feliz. Digamos que... completa. Graças ao C. Amadureci muito no caminho até ele. E continuo adquirindo mais maturidade na convivência ao seu lado.
Tudo está bem. Tem tudo pra ficar melhor ainda. Tudo vai dar certo.
É. Estou amando. Desculpem a visão "Poliana" da vida, mas é assim mesmo que me sinto.
Mesmo com pedras no caminho... Tenho aprendido a arte de contorná-las.


"Felicidade é ter o que fazer, ter algo que amar e algo que esperar". (Aristóteles)


Beijos pra quem lê.

Good night... e a gourgeous december!

domingo, 28 de novembro de 2010

(...)





(...)

Não sei se o mundo é bom
Mas ele está melhor
Desde você chegou
E perguntou:
Tem lugar pra mim?

(...)

Não sei o mundo é bom
Mas ele está melhor
Desde que você chegou
E explicou
O mundo pra mim

(...)

(Espatódea - Nando Reis)


Love U.



quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Desabafo.





Hesitei em escrever sobre tal assunto, pois por mais que sejamos discretos e sensatos e honestos, aparece alguém tentanto mexer lá no fundo daquele baú que vc nem lembrava mais que existia, aquele, chamado passado.
Pois é. Todo mundo tem o seu. O de alguns é negro. O de outros condena. O de outros tem tão pouca importância que eu não entendo como tem pessoas que ainda tiram tempo pra futricar e botar pilha e veneno em coisas que já morreram.
Isso pra mim se chama imaturidade e ociosidade. Pragas que podem atacar qualquer um, então, cuidado.
Eu trabalho muito, estudo, leio, assisto meus seriados e filmes, escrevo, faço academia, tiro tempo pra família, tento manter contato com os amigos, namoro... e ainda tenho que aguentar desaforo de certas pessoas que não tem o que fazer!!!
Não que eu esteja passando por isso agora (tks, God, no more!) ... mas já vivi algumas situações que me deixaram emputecida.
Não tenho raiva (claro, na época tive), tenho pena de gente mesquinha e que gasta tempo pra "cuidar" da vida dos outros.
Duas vezes eu tive vontade de apagar minha "vida virtual" todinha. Redes sociais, blogs e afins. Mas pensei comigo: Tadinha da pessoa... tem nada pra divertir, deixa ela ficar me vigiando... kkkkkkkkkkkkk...
E FODA-SE (com o perdão da palavra)! Não devo nada a ninguém, e se fiz algo que desagradei a alguns, foi minoria, e não fazem diferença na minha vida.
Se você, FDP, que algum dia tentou me prejudicar, ler esse texto (acredito que lerá, pois me admira o suficiente pra deixar o meu blog nos seus favoritos - rá! Fui arrogante agora!!! hudashduah... sempre sonhei com este momento), não considere que você consegue me afetar. Considere como um desabafo (tardio) sobre situações (passadas) que não tem mais importância. Só quero que saiba. Hoje eu sou mais forte. E sou mais feliz. E pode ser que você tenha ajudado nisso. Acho que devo te agradecer. Rá. Vai sonhando.


Pimentinha vai bem, obrigada. Olho grego também. E anjo da guarda fortíssimo. E Deus do meu lado.
Quero mais o que?
Beijo pra minha mãe, pro meu pai, e pro meu amore (e pra Day, que tá cobrando ciúmes, mas eu a amo tb!).

Ps. Não sei se vc reparou, mas não aceito comentários anônimos. Quer me xingar? Identifique-se.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

C.




Bem, eu li hoje que fazer citações não é crime, o crime é reproduzir o texto na íntegra, mesmo citando o autor.

Bah, a Cris Guerra não vai mandar me prender ou pagar indenização por divulgar os textos dela.
Então, lá vai o link, pra ler, curtir e entender o que eu sinto, nas palavras dela.


"Confissão"

Lindo por demais.

Ele vai entender.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Sobre delicadezas




Eu sinto uma falta imensa de coisas e atitudes delicadas no cotidiano.
Até mesmo partindo de mim... tem dias que não sou nada delicada, nem sutil.
Mas de vez em quando encontro pessoas, textos, coisas, que me fazem relembrar quão essencial é a delicadeza na nossa vida.
Daí você me pergunta: "Mas que porra de delicadeza você tá falando???" Tá, desculpem o palavrão, mas não é assim que o mundo tem sido? Áspero. É. Assim mesmo.
Daí eu te respondo: To falando de momentos onde se expressa o que sentimos pelo outro.
Por exemplo: Eu amei acompanhar a etapa final da minha amiga Mary antes do casamento dela. Sim, é piegas. Mas e daí? É emocionante. Eu me importo com ela, e foi um momento onde demonstrei o meu carinho e minha amizade (olhem o buquê, que lindo).
Posso citar muitos outros exemplos de atitudes delicadas que tenho presenciado e vivido, lamento que não sejam tantas quanto gostaria, mas meus últimos dias tem sido belos...
É bonito recostar no ombro do homem que me faz feliz, num domingo à noite.
É bonito conhecer um casal divertido e afetuoso e imaginar que uma amizade das boas vem por aí.
É bonito compreender e aceitar o outro, que é maravilhosamente imperfeito.
É bonito compartilhar músicas e textos que tocam o coração, mesmo que estes sejam tristes.

É bonito, é delicado, é sutil.

É felicidade.

Quero mais disso. "Quero sempre mais". Quero delicadezas e felicidade sem medida.


Beijo.

domingo, 17 de outubro de 2010

A SUA



Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
Agora e sempre mais
Eu só quero que você ouça
A canção que eu fiz pra dizer
Que eu te adoro cada vez mais
E que eu te quero sempre em paz

Tô com sintomas de saudade
Tô pensando em você
E como eu te quero tanto bem
Aonde for não quero dor
Eu tomo conta de você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem

Eu só quero que você caiba
No meu colo
Porque eu te adoro cada vez mais
Eu só quero que você siga
Para onde quiser
Que eu não vou ficar muito atrás

Tô com sintomas de saudade
Tô pensando em você
E como eu te quero tanto bem
Aonde for não quero dor
Eu tomo conta de você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem

Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem
E que eu te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem


Música perfeita. Tudo perfeito. Aneim. rs.

Ouça aqui.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Tks, God.




Não sou uma pessoa que reza muito... mas preciso agradecer.
Deus, obrigada!
Por tudo. Amém.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Fogo



"É tão certo quanto o calor do fogo
eu já não tenho escolha, participo do seu jogo...
Não consigo dizer se é bom ou mal
assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá, o que quer que eu faça
sem você não tem graça..."

Fogo - Capital Inicial.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Delicinha...



É. Eu estou apaixonada. Como se fosse a primeira vez. Como nos filmes. Como se a realidade um dia não viesse bater na porta. Tão bom! Melhor ainda do jeito que está. Melhor ainda como pode vir a ser.

Como já disse o grande Vinícius de Moraes: "Que não seja imortal, posto que é chama/ mas que seja infinito enquanto dure."


Beijo.
Pra ELE.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

E quando menos se espera...


...

A gente descobre que tem mais em comum do que imaginava.
Que até alguns defeitos não são tão defeitos assim.
A gente tem crises de riso por bobagem.
E rir deixa a vida mais leve e os dias mais suportáveis.
A gente fica sem graça, mas percebe o que há por trás do olhar.
E um leve toque dos lábios na mão... desmorona qualquer um.
A gente se mostra ansioso por tudo que pode vir.
E que venha tudo o que há pra viver!
A gente descobre que a gente junto é melhor do que a gente separado.
Então temos que resolver isso.


By Keo
(Ainda completamente boba)

domingo, 12 de setembro de 2010

Medo


Medo de escuro.
Não o escuro das luzes apagadas.

O escuro da alma.
O escuro que há dentro de cada um.
O escuro de uma casa vazia. De um canto vazio. O escuro da solidão.


Medo de ficar só.

Não ficar só "sem um par".

Mas o "ficar só" literal. Sem pessoas queridas.
Sem ninguém que se importe.


Medo de deixar as coisas perderem a importância, de deixar a vida passar.

Medo de perder os sonhos. Ou a capacidade de sonhar.


Medo da dor.
Medo da morte.

Medo medo medo.


Palavra áspera que se arrasta na alma.



By Keo

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

RETRATOS DA ARTE E DA ALMA





Com o intuito de relembrar e reavivar meu interesse por trabalhos acadêmicos, o post de hoje é um artigo escrito por mim em 2005 (ui!) durante o curso de Letras.
É meio extenso, mas como gostei muito de escrevê-lo, espero que alguns apreciem a leitura.



Com origem na Alemanha e na Inglaterra, o Romantismo - tendência que se manifesta nas artes e na literatura entre o final do século XVIII e a primeira metade do século XIX - ganhou força ao chegar à França, espalhando-se por toda a Europa e posteriormente, pelas Américas.

O Romantismo impulsionou uma ruptura estrutural e temática na Literatura, proporcionando ao escritor uma liberdade de expressão, um sentimentalismo e um subjetivismo antes não explorados. Opôs-se ao racionalismo, à contenção e ao intelectualismo pregados pelos estilos que o antecederam.
Para os artistas românticos, o transbordamento da emoção, fantasia e o individualismo foram pilares de sua expressão, cultuando a liberdade de criação, a evasão da realidade através dos sonhos, dos devaneios e a função sacralizadora da arte.

“Os autores românticos revelam no artista uma capacidade de criar mundos imaginários e de acreditar na realidade dos mesmos. Do choque do seu eu com o mundo, o escritor evade-se na aspiração por esse ou outro mundo distinto, situados no passado ou no futuro e onde ele não encontra as dificuldades que enfrenta na realidade imediatamente circundante”.(Proença, p.216 )

Neste contexto, autores como Edgar Allan Poe e posteriormente Oscar Wilde destacam-se significativamente. Poe, com suas narrativas um tanto sobrenaturais, carregadas de mistério, alucinações, terror e morte, consegue retratar os medos e as angústias que assombram a mente humana. Wilde, reconhecendo em Poe um mestre, escreve de forma semelhante, mas um de seus temas preferidos é o elogio da estética e da arte como via de escape dos limites humanos, defendendo a liberdade de escolha, de comportamentos e de expressão.

Possuidor de imensa genialidade, aliada às características inerentes ao contexto romântico, Edgar Allan Poe (1809-1849) viveu de forma singular, passando por inúmeras intempéries, como as dificuldades financeiras, o alcoolismo, enfermidades sofridas por ele, e as mortes de sua mãe e de sua esposa Virginia (tuberculose), o abandono do pai e a rejeição do padrasto, além de conflitos relacionados ao trabalho.
Adversidades que não dificultaram a construção de sua obra literária, de intensa originalidade, influenciado por uma forte tendência byronista.

No conto “O Retrato Oval”, Poe prepara um cenário de mistério, remetendo á uma sensação de terror, já no início do conto. O ambiente é um castelo abandonado, o que leva o leitor a um retorno ao passado, a uma viagem transcendental.
Neste castelo, hospedam-se um homem gravemente ferido (o personagem-narrador) e seu criado.

O fato de o personagem narrador ser um amante das artes, exímio conhecedor da pintura e de suas técnicas, de admirar a arquitetura do castelo e sua decoração, expõe a visão de Poe acerca da teoria da arte pela arte, repudiando o utilitarismo burguês.

Exausto, o homem ferido entrega-se à admiração dos quadros que o cercam e à leitura de um livrinho que continha a descrição das pinturas.No entanto, quando seu olhar se depara com um quadro de moldura oval ate então despercebido, encanta-se (e espanta-se) com uma peculiaridade nesta pintura em especial: à “expressão de uma absoluta aparência de vida”.(p.281), o que o faz imaginar se a surpreendente visão não seria apenas uma ilusão provocada pela mente, fruto do semitorpor em que se encontrava.

Agitado, procurou no livrinho a história referente ao retrato oval. Conta-se que a mulher retratada no quadro era esposa do pintor – este, apaixonado pela arte, considerava sua esposa detentora do belo, e pintava sua imagem com paixão, com intenso prazer, extasiado por esta ser sua mais bela obra.

Para o pintor, a arte era a essência da vida e a sua pintura era, portanto, a própria vida, de forma que, com o decorrer do tempo, à medida que sua pintura ia ganhando forma e cor sobre a tela, sua esposa, simultaneamente, perdia a vivacidade, morrendo aos poucos sob a escassa luz que projetava-se no torreão.

Não apenas o conceito da arte como o belo, mas o da idealização da mulher é percebido no conto. A mulher, da rara beleza, submissa, humilde e obediente, apesar de odiar a Arte como uma rival, se deixa ser retratada, imortalizada pelo pintor, por amor a ele, morrendo por ele, mas transfundindo-se para a tela. A arte e o belo estão intimamente ligados – juntos, são a própria vida – e sem a existência do belo, a arte não existe, existe apenas a morte.

Oscar Wilde (1854 – 1900), excêntrico contestador e um dos grandes nomes da Inglaterra vitoriana, escreveu histórias de refinadíssima beleza, mescladas a uma tristeza cruel, a uma intensa amargura, de grandes amores fracassados, de corações partidos e de dura sátira social. Em suas obras ataca as convenções sociais estabelecidas e critica impiedosamente a mentalidade burguesa e a moral rígida da sociedade vitoriana.

Em “O Retrato de Dorian Gray”, são perceptíveis inúmeras características românticas; ao início do livro, a instabilidade emocional dos personagens reflete um ilogismo sutil, principalmente em se tratando de Dorian, um jovem extremamente belo que, num reconhecimento narcíseo, apaixona-se pela própria beleza (admirada e cobiçada por todos) ao ver sua imagem retratada num quadro por um amigo – imagem esta que envelhece e adquire as marcas da corrupção e dos atos vis que Dorian pratica, de forma que ele permaneça jovem e belo, mas iludido e angustiado.

O personagem Dorian Gray sofre de uma inadaptação ao mundo real, através da consciência da solidão. Aspira por um mundo diferente, refugiando-se no mundo da riqueza e das artes, com uma tendência ao exagero, deleitando-se com os prazeres proporcionados pela arte e pelo belo.

Idealiza a mulher amada, mas a partir do momento em que ela abre mão de sua vida para viver em função dele, ele a despreza.

Com o passar dos anos, Dorian começa a se sentir oprimido e excluído, e como o mestre Edgar Allan Poe, Oscar Wilde apresenta soluções psicológicas para o desfecho da história, que se assemelha a um conto fantástico de Poe. Dorian pode ser considerado um herói trágico, pois apesar do que cometeu movido pela ilusão da beleza física, pelo seu egocentrismo exacerbado, apela para a evasão das evasões: a morte. Resolve destruir o quadro que lhe condena, por não conseguir mais olhar para a própria imagem deformada, o retrato de sua própria alma enquanto seu corpo permanecia no limiar da juventude. Simultaneamente, ao destruir o quadro, Dorian Gray dá fim à sua existência.




Referências

GOTLIB, Nadia Batella. Teoria do Conto. São Paulo: Atica, 1995.

POE, Edgar Allan. Ficção Completa, Poesia e Ensaios; 4ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2001.

PROENÇA, Domício Filho. Estilos de Época na Literatura. 15ed. São Paulo: Ática, 1995;

WILDE, Oscar. O Retrato de Dorian Gray. Rio de Janeiro: Otto Pierre, 1979.

HAUSER, Arnold. Historia Social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Diferentemente Iguais




Eles se conheceram, e conversaram e se gostaram.
Afinidades infinitas.
Sorrisos cativantes.
Eram "diferentemente iguais".
Namoraram alguns meses, e foi intenso e doce.

Romântico, divertido e sutil.

Eles eram o casal mais bonito.
O que mais combinava.

Ele a amava, e ela amava-o também.

Ele era o melhor, o mais perfeito.
Ela era a "perdição" dele.
Como amor de perdição... se perderam.

Uma pena.
Terminaram, se afastaram.
Seguiram suas vidas em caminhos diferentes.

Porém, vez ou outra se encontram, raramente.

Em ambos ainda existe o carinho, a admiração, o desejo.
Ambos se sentem balançados.

Ela prometeu a alguém, um dia, que cuidaria dele.
E cuida, à sua maneira.

E ele, como anjo que é, cuida dela também.

Cada um, à sua maneira, ama o outro.


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Glee



Ainda não falei sobre uma das séries que assisti recentemente e adoro... GLEE. Não é uma série nova, tanto que a minha amiga Élida já a citou no seu blog ano passado. Mas eu ainda me rendo aos encantos de Glee. Música, comédia, romance e uma pitada de drama. Vale a pena conferir. Segue abaixo uma música que acho linda e que ficou melhor ainda na versão deles, foi exibida do episódio final da primeira temporada... vídeo aqui. E que venha a segunda temporada!!!


Over The Rainbow

Somewhere over the rainbow
Way up high,
There's a land that I dreamed of
Once in a lullaby.
Somewhere over the rainbow
Skies are blue,
And the dreams that you dare to dream
Really do come true.

Someday I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far
Behind me.
Where troubles melt like lemon drops
High above the chimney tops
That's where you'll find me.

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly.
Birds fly over the rainbow.
Why then, oh why can't I?

Além do Arco-íris

Em algum lugar além do arco-íris
Lá no alto,
Há uma terra com a qual eu sonhei
Em uma canção de ninar.
Em algum lugar além do arco-íris
Os céus são azuis,
E os sonhos que você ousa sonhar
Realmente se tornam realidade.
Algum dia eu vou desejar sob uma estrela
E acordarei onde as nuvens estão atrás
De mim.
Onde os problemas derretem como balas de limão
Bem acima dos topos das chaminés
É onde você me encontrará.
Em algum lugar além do arco-íris
Pássaros azuis voam.
Pássaros voam além do arco-íris.
Por que então, por que eu não posso?

Considerações

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Para a vida...





Batido até, mas é bonito e vale a pena ler.


1. A vida não é justa, mas ainda é boa.

2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.

3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.

4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.

5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.

6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.

7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho..

8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele aguenta.

9. Poupe para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.

10. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.

11. Sele a paz com seu passado para que ele não estrague seu presente.

12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem ideia do que se trata a jornada deles.

14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.

15. Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.

16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.

17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeroso.

18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.

19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.

20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite não como resposta.
21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Prepare-se bastante, depois deixe-se levar pela maré.

23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25.
Ninguém é responsável pela sua felicidade além de você.
26. Encare cada "chamado" desastre com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?

27. Sempre escolha a vida.

28. Perdoe tudo de todos.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.

31. Independentemente se a situação é boa ou ruim, irá mudar.

32. Não se leve tão à sério. Ninguém mais leva...

33. Acredite em milagres.

34. Deus te ama por causa de quem Deus é, não pelo o que vc fez ou deixou de fazer.

35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.

36. Envelhecer é melhor do que a alternativa: morrer jovem.

37. Seus filhos só têm uma infância.
38. Tudo o que realmente importa no final é que você amou.

39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.

41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.

42. O melhor está por vir.

43. Não importa como você se sinta, levante-se, vista-se e apareça.

44. Produza.

45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente.


Agradeço à minha amiga sumida Eliane por enviar essa mensagem via e-mail. E deixar reflexões. Saudades de ti!

domingo, 29 de agosto de 2010

Historinha





Ela o via todos os dias.
Ela trabalhava, ele ia estudar.
Ele mal a olhava, não conversava com quase ninguém.
Não me lembro como eles começaram a conversar.
A partir da primeira conversa, todos os dias trocavam palavras, idéias, impressões.
Um dia, em uma festa, trocaram beijos.
Ela, aos 17, o amou platonicamente por um bom tempo.
Ele seguiu outros caminhos. Outros lugares.
Após alguns anos, se esbarraram na web.
Voltaram a conversar. Amenidades. Filmes, livros e afins.
Acabaram se encontrando novamente.
E a conversa flui. Filmes, livros, lugares, pessoas.
Algo nele a encanta.
Ele se vai novamente, mas mantém contato, às vezes.
Do nada, após alguns meses, ele aparece, no meio de uma festa.
Mais conversas e alguns beijos.
Eles tem muito em comum. E uma química interessante.
Continuam conversando.
Mas algo mais que a distância os separa.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Das amigas!





Amigos, em geral, são essenciais. Depois da família, são eles que fazem a nossa vida ter sentido, principalmente em certas épocas de nossas vidas. Mas durante toda a vida, precisamos ter com quem contar, pois já disseram tantos poetas "ninguém é feliz sozinho"...
Mas os amigOs que me perdoem... as amigas são fundamentais!
São tantas... e simultaneamente tão poucas!
Tão especiais, tão amadas...
Quem aguenta nossas TPM's, dores de cotovelo, empolgações quando de uma nova paixão? Quem empresta o ombro ou o ouvido ou o colo ou o abraço?
São elas...
Mãemiga, irmãmiga, sobrinhamiga, primamiga...

Amiga sempre presente, amiga sumida, amiga sumida mas presente...
Amiga vizinha, amiga distante (em Km, mas não no coração)...
Amiga antiga, amiga recente...
Amiga de infância, de adolescência, da faculdade, do trabalho...
Amiga preocupada, amiga desligada, amiga quietinha, amiga baladeira...
Amiga filósofa, amiga leitora, amiga cinéfila, amiga virtual, amiga colega, amiga da amiga...
Amiga que é irmã por opção... irmã de coração...


A todas as minhas amigas, que sabem o quanto são especiais pra mim... um carinho... não pra me redimir por ser sumida e distante... mas sim pra mostrar que mesmo ausente, as guardo no lado esquerdo do peito, e na minha memória, sempre.

Amo vocês.

sábado, 21 de agosto de 2010

Vontades...






Vontade de ir embora. Ir atrás de um lugar melhor, onde tudo poderia ser diferente.
Onde tudo poderia ser mais feliz.
Onde as flores são mais coloridas, o céu é mais azul e as pessoas percebem o que sentimos, e não o que vestimos.
Vontade de querer começar diferente, buscar um novo sentido para a vida.
Criar laços, aprender e errar. Corrigir e reaprender. Cortar laços e formá-los novamente. Vontade de sumir por um tempo, deixar saudades e voltar para abraçar quem sentiu falta. Acabar com os choros e formar novos sorrisos. Pensando bem.… Talvez devesse ficar por aqui mesmo. Como tudo está, sem mudar o presente. Fazer o possível para sonhar e acreditar.


Origem: http://simpliciter.tumblr.com - Ab imo pectore.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Das coisas que irritam




Telefone tocando.

Pessoas falando comigo enquanto estou ao telefone.
Ligar para operadora de celular.

Atendimento eletrônico.
Esperar 60 minutos para ser atendido na mesma ligação da operadora de celular, e a ligação cair.
Começar uma tarefa e ter que parar sem terminar.

Gente que escreve errado.
Gente mentirosa.

Gente intrometida.

Gente que cria intrigas.

Gente que me julga sem me conhecer.

Sapato que machuca.

Calor.

TPM.

Pedaços de alho.

Pedaços de cebola.

Ver meus livros judiados.

Não ter meus livros devolvidos.

Acordar cedo.

Despertador.

Rap.

Funk.

Axé.

Pagode.

Samba.

Pessoas ouvindo qualquer uma das porcarias acima no celular sem fones de ouvido.

TV.

TV com volume máximo.

Programas de domingo.
Domingo.

Fazer cobranças.

Amarelo.
Marrom.

Gritos.

Fila de banco.

Filas em geral.
Poeira.

Fumaça.

Cigarro.

Bêbados.

Moto barulhenta.
Caminhão.

Aff... irritada só de escrever.


Cansei.


Bora dormir.


¬¬

sábado, 14 de agosto de 2010

Open your eyes... clean your heart!



Às vezes luto para entender porque todo amor é um tumulto! Ele chega e nosso mundo vira de pernas para o ar! Vai embora fome, vai embora sono, vai embora sossego, some a paz! Nos transformamos num outro alguém - de aparência luminosa, com cara de apaixonada, mas com a alma enlouquecida!
Um quadro fixo se prende em nossa mente - um só rosto, um só nome, um só cheiro, uma só pele, uma só vontade! Uma seta, uma única direção. E a gente conta as horas para estar perto e quando estamos perto, fuzilamos o relógio para que ele pare! Um estado de graça, dizem - um estar nas nuvens! Pode até ser - mas seria bom acordar a razão nestas horas! É incrível! O encantamento chega e a razão vai dormir. Nos deixa sozinhos e muitas vezes burros!
Queria a razão sentadinha ao meu lado nestes dias. Queria ficar com os olhos abertos! Plenamente e deliciosamente encantada como estou agora, mas espertinha pra não sofrer. Não me jogar inteira, não ficar cega, não esperar demais, não passar noites sonhando e planejando, não esperar recados inesperados, mensagens, convites para danças intermináveis noite adentro ou simplesmente ir comer alguma coisa ali na esquina. Dar um basta nos meus ataques de Cazuza, aquele que adora um amor inventado.

Nestas horas, pra mandar a dor embora e estourar aquele balãozinho de coração que teima em flutuar em cima da minha cabeça 24 horas por dia, queria ser extremamente racional para olhar para o ser especial e dizer: “Não é nada! Estou apenas me divertindo!” Deixar o sentimento do lado de fora - mas eu sou molinha, não consigo ser diferente! E me derreto...
Mas... De repente eu penso.. bem de repente.… E se for ele? E se essa fuga for em vão? E se no final existir uma história que dure e que valha a pena? Bom, mesmo assim, pé no freio, sem pressa pra não errar, pra não doer… Meio a meio: Pode ser que sim, pode ser que não! Por isso, calma lá, garota! Continua olhando para os lados, retira a venda dos olhos, por favor! Tem vida lá fora!!

(Desconheço a autoria, porém, é um excelente texto.)

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Pessoa...



"Se perder um amor... não se perca!

Se o achar... segure-o!

Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala.

O mais... é nada.
"


Atribuído a Fernando Pessoa


Ouvindo Nantes (Beirut)

terça-feira, 13 de julho de 2010

Embriague-se...



" ... de vinho, virtude ou poesia! " (Frejat)


"Um homem perde o senso de orientação após quatro drinques; uma mulher após quatro beijos..."

(Autor desconhecido)


quarta-feira, 30 de junho de 2010

Música... boa música.

Olá!

Sempre, desde pequena, gostei de Engenheiros do Hawaii. Influência do meu "rimão". Muito boa, por sinal. É uma banda que não está sob os holofotes, e a minha intenção aqui não é fazer isso. Mas eu gosto muito do som deles e não me canso de ouvir. Há algum tempo, o Gessinger (vocalista do EngHaw) e o Leindecker (Cidadão Quem) formaram o Pouca Vogal. E é uma música deles (que me foi apresentada por um grande amigo) que não saiu da minha cabeça hoje. Excelente melodia, excelente letra. Espero que gostem.
Para assistir ao vídeo, clique aqui e para visitar a página desse pessoal muito bom de serviço, clique aqui =)

Além da Máscara

Pouca Vogal

Composição: Humberto Gessinger

Agora que a terra é redonda
E o centro do universo é outro lugar
É hora de rever os planos

O mundo não é plano, não pára de girar
Agora que o tempo é relativo
Não há tempo perdido, não há tempo a perder

Num piscar de olhos tudo se transforma
Tá vendo? Já passou, mas ao mesmo tempo
Fica o sentimento de um mundo sempre igual
Igual ao que já era de onde menos se espera
Dali mesmo é que não vem

Agora que tudo está exposto
A máscara e o rosto trocam de lugar
Tô fora se esse é o caminho

Se a vida é um filme, eu não conheço diretor
Tô fora, sigo o meu caminho
Às vezes tô sozinho, quase sempre tô em paz

Num piscar de olhos tudo se transforma
Tá vendo? Já passou, mas ao mesmo tempo
Esse mundo em movimento parece não mudar
É igual ao que já era de onde menos se espera
Dali mesmo é que não vem

Visão de raio-x, o x dessa questão
É ver além da máscara além do que é sabido
Além do que é sentido, ver além da máscara





Momento fã: Lembrando que em breve, Humberto Gessinger estará aqui, em Patiminas!! E, por incrível que pareça, eu vou! rs


P.S. Fabrício, o blog está aberto aos seus pertinentes comentários e eventuais correções, ok?


Beijos e até mais! =D


.:: Porque música é uma das mais belas manifestações de ARTE! ::.

sábado, 26 de junho de 2010

Angústia


Ou "Uma paixão sem motivo"


Eu não vou escrever pra ele - ela pensou com os dedos formigando para teclar...
Eu não vou - respirou fundo.

Ela escreveu.
Ainda há tempo, pode não mandar.
Mandou.

Droga.

Ele leu. E? E nada. Nenhuma resposta.

E ela ainda espera.
É. Ela é fraca. Teimosa. Contraditória. Orgulhosa.
Fala e faz coisas das quais se arrepende.

Não faz o que gostaria.
E quando faz, não era para ter feito.
Vida bandida. Cruel e amargurada.
A vida não tem culpa, certo? Certo.
Então, quem tem?

Ela? Ela e suas atitudes impulsivas, inconcretas, impensadas (ou pensadas demais??)?

Seu coração que pula no peito toda vez que surge algum sinal dele no seu dia?

Sua mente que não lhe dá só um minuto de sossego, porque os pensamentos nela habitados são só ele?

E ele nem aí, ele não sabe. Ele não quer saber? Ele não vê. Ele não quer ver?
Quisera ela ter um coração de ferro.

Quisera ela bastar-se.

Quisera ela não se apaixonar por ele.

Mas agora é tarde.
A paixão já se alojou no coração dela.
Mas ela já sabe o que vai acontecer.

A vida segue, ele se esquecerá dela, e dele, uma dia, ela poderá esquecer. Ou não.


...

terça-feira, 22 de junho de 2010

Quem quer ganhar livros?? Eeeeuuuu!!


Participando do sorteio do blog: http://www.cemtoquescravados.com/

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Nanocontos: tiras literárias

Mãos dadas pelas ruas. Ele conduzido por ela. Coração apertado pela separação: primeiro dia de aula

O termo pode até não ser novo, mas eu nunca tinha ouvido falar antes de nanocontos como este acima. O fato é que o editor, escritor e roteirista de HQs Edson Rossatto passou a se dedicar a este gênero nas últimas semanas com resultados fascinantes.

Os nanocontos estão para a literatura assim como as tiras estão para os quadrinhos: uma mensagem rápida, de sentido completo e instantâneo, num espaço reduzido (exatos 100 caracteres, neste caso).

As tiras, aliás, foram a inspiração de Edson: "Eu via meus amigos quadrinhistas publicando suas tiras e sentia vontade de fazer o mesmo. Só que eu não sei desenhar, sei escrever; então, parti para um formato literário que tivesse o mesmo efeito”.

O autor começou a publicar os nanocontos diariamente em seu perfil twitter, mas logo criou um específico (@cem_toques) e, mais recentemente, o blog Cem Toques Cravados - www.cemtoquescravados.com (o nome é uma homenagem ao livro de Mário Lago, 16 Linhas Cravadas).

O blog já tem mais de 80 nanocontos publicados e o número cresce a cada dia. A ideia de Edson é reuni-los em livro quando a produção atingir a marca de 300 textos. Para divulgar o blog, o autor está realizando uma promoção com sorteio de cinco títulos de sua editora, a Andross.

Edson Rossatto já tem boa experiência com textos curtos. Ele escreveu um livro (Curta-Metragem) e organizou outros dois (Expresso 600 e Histórias Liliputianas) só com microcontos (textos com até 600 caracteres). Veja alguns dos nanocontos já publicados no blog:

Triste, afogou as mágoas na bebida e acabou com tudo: mandou chover quarenta dias e quarenta noites.

Queria que o pai comprasse um novo porque o outro morreu. “Irmãos não são vendidos em lojas, filho.”

“Só acredito vendo”, disse Tomé. Então Jesus se deitou no chão e fez trezentas flexões em um minuto.
MATÉRIA PUBLICADA ORIGINALMENTE NO SITE http://www.papodequadrinho.com/

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Contraditória ...




"Quero explodir as grades/ e voar/ não tenho pra onde ir/ mas não quero ficar"(...) _Novos Horizontes_ (EngHaw)

Sobre uma ausência




"Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.
Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência."

Atribuído a Martha Medeiros



Sobre Mesas de Centro e Estantes



Qual a utilidade de uma mesa de centro? Me responderam: "dar suporte para a decoração, manter a organização e harmonia dos itens da sala." Mas será mesmo?
Pois pense bem. Eu como aspirante a decoradora/designer/arquiteta e atual vendedora de itens de mobiliário, nunca dei muita atenção para mesas de centro. Não as vendo em grande quantidade. Às vezes um cliente acha que a sala está muito vazia, então procura uma mesa que combine com o restante dos móveis. Às vezes a compra junto com outros móveis e depois vê que ela não dá certo lá no espaço. Não cabe. Não combina. Atrapalha. Incomoda. Vira mesa de canto. Sempre achei que uma mesa de centro é essencial para colocar a vasilha de pipoca enquanto se vê um filme. Fora isso, não tem muita utilidade.
De que adianta ser linda e não ser útil? De que adianta ser o centro de tudo se nada à sua volta está arrumado?
Prefiro estantes. Nela está o lugar e a possibilidade da organização. Nem sempre fica muito organizado. Eu pelo menos, ando muito desorganizada. Mas a estante te dá muitas possibilidades. Livros, CD's, revistas, pastas, enfeites, lembranças, porta-retratos e afins... Coloque na estante. Pode ser estante de chão, de parede, simples, elaborada, produzida em grande escala ou sob medida. Eu adoro estantes.
A questão é: não adianta ter mesa de centro, estante, escrivaninha e tudo o mais, se está juntando poeira e mofo nos cantos. Se não faz uma faxina geral de vez em quando.
O mobiliário só é valorizado quando tratado com cuidado e carinho. Fato. Palavra de apaixonada por tudo isso.
Beijo. Volto em breve.

P.S. Texto iniciado há alguns dias, porém hoje, 19/06/10, que consegui terminá-lo. Com algumas alterações.

P.S. 2: Foto da minha escrivaninha e estante de parede. =D

terça-feira, 15 de junho de 2010

Sobre relacionamentos




Olá...
Aproveitando deixas e oportunidades, posto mais uma vez um texto iniciado anteriormente.

Li no blog "And my dreams?" um texto (ou um trecho de um texto) de Caio Fernando Abreu - jornalista, dramaturgo e escritor gaúcho - que pareceu um pouco com o meu jeito de lidar com os relacionamentos atualmente. Segue abaixo:



"Eu entro nesse barco, é só me pedir. Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou (...). Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia (...). Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir. Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia. Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto. Eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças! Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena. Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena. Remar. Re-amar. Amar.



Engraçado como mergulhamos de cabeça em certos relacionamentos e nem sempre pensamos que pode não ser tudo o que esperamos. Eu sou um tanto contraditória. Em alguns, puxo o freio e a história não rende. Em outros mergulho mesmo, devido a uma série de fatores: química, afinidades em geral, intelecto, bom humor, sorriso, olhar, atitudes, blá blá blá. Aí é que mora o perigo, pois o ser humano é um bicho difícil de lidar. Quando você não está a fim, a pessoa insiste. Quando você está, a pessoa desiste. Que inferno.
O problema maior disso tudo é que já quebrei a cara tantas vezes, que não queria quebrar mais. É sério. Hoje, prefiro ficar só, que estar com alguém que não quer estar comigo. Hoje.
Porém, eu não me basto. Sou carente e preciso ser amada, mimada, abraçada, beijada. Mas o bendito amor-próprio tem gritado aqui: "Hey, pare de esquecer de você e se dedicar a quem não te quer (ou não sabe o que quer)"...
A questão é: tem horas que eu sinto vontade de mandar o dito cujo aos quintos e me jogar, mesmo sem saber se a piscina está cheia... Em outros momentos eu penso: peraê, se valoriza, mulher!
"Altruísmo, não egoísmo", né?
Em todas as vezes, o que acontece? Faço tudo errado.
Alimento expectativas às vezes infundadas, precipitadas, e depois vem a decepção. Não estou me fazendo de vítima, sou eu quem faz a bagunça toda mesmo. Na ânsia de ser feliz, eu deixo a felicidade escapar por entre os dedos.

É isso aí... mas eu acho que ainda acerto. Sou uma otimista incorrigível. As coisas se ajeitam e se encaminham. Vou fazendo o que posso. Errando, acertando, aprendendo.

"C'est la vie".


Beijos.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Não vês?






Pelo sonho imortal.
O único.

Vence a miséria de ter medo.
Troca-te pelo Desconhecido.

Não vês, então, que ele é maior?
Não vês que ele não tem fim?

Não vês que ele és tu mesmo?

Tu que andas esquecido de ti?



Cecilia Meireles


Poema... poema...

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

"Open your eyes, clean your heart".

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Movie moment!


Oi oi!!

Sem poesias ou sentimentalismos hoje...
Este post é simplesmente pra mostrar o mais perfeito vestido visto por mim em Alice in Wonderland!
Claro que não o usaria, não assiiiiim... faria algumas adaptações, mas a idéia é ótima, não?
Existem vários outros no filme, um lindo quando ela encolhe, outro quando estica, outro quando encolhe denovo... rs...
Capricharam muito no figurino...
Pra quem não viu, vai a dica... Alice é muito bom!

Momento fashionista passando...
Maaaaaaaas... Cinema é uma arte... e moda também é arte, como não??

**Aaaaaahhh... e aproveitando a deixa... beijo grande para a minha sobrinha linda que faz niver hoje... Parabéns, Day... **


Beeeeeeijo!


Volto já =D

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Poema Providencial

Achei esse poema perfeito... eu poderia tê-lo escrito, quase. Mas a Laura, do blog Sonhos e Chá, o fez. E lindamente. Abraços e obrigada por suas palavras tão certeiras.


É seu

Era pra ser você o dono da minha alegria,
o dono da fantasia,
das noites ocupadas de álcool e suor,
o dono dos meus dias,
da minha boca que ardia.
Era pra ser você o dono do meu sentimento,
dono de todo universo de contentamento,
do motivo de eu ser,
da razão de eu existir,
de eu querer,
de eu pedir.
Era pra ser você a causa do meu eu.
Mas você não quis, você não permitiu,
você não deixou.
Agora você é dono desse meu sofrimento,
desse sentimento que queima por dentro,
desse meu medo de amar,
dessa minha falta de amor.

Laura Santos