sábado, 14 de agosto de 2010

Open your eyes... clean your heart!



Às vezes luto para entender porque todo amor é um tumulto! Ele chega e nosso mundo vira de pernas para o ar! Vai embora fome, vai embora sono, vai embora sossego, some a paz! Nos transformamos num outro alguém - de aparência luminosa, com cara de apaixonada, mas com a alma enlouquecida!
Um quadro fixo se prende em nossa mente - um só rosto, um só nome, um só cheiro, uma só pele, uma só vontade! Uma seta, uma única direção. E a gente conta as horas para estar perto e quando estamos perto, fuzilamos o relógio para que ele pare! Um estado de graça, dizem - um estar nas nuvens! Pode até ser - mas seria bom acordar a razão nestas horas! É incrível! O encantamento chega e a razão vai dormir. Nos deixa sozinhos e muitas vezes burros!
Queria a razão sentadinha ao meu lado nestes dias. Queria ficar com os olhos abertos! Plenamente e deliciosamente encantada como estou agora, mas espertinha pra não sofrer. Não me jogar inteira, não ficar cega, não esperar demais, não passar noites sonhando e planejando, não esperar recados inesperados, mensagens, convites para danças intermináveis noite adentro ou simplesmente ir comer alguma coisa ali na esquina. Dar um basta nos meus ataques de Cazuza, aquele que adora um amor inventado.

Nestas horas, pra mandar a dor embora e estourar aquele balãozinho de coração que teima em flutuar em cima da minha cabeça 24 horas por dia, queria ser extremamente racional para olhar para o ser especial e dizer: “Não é nada! Estou apenas me divertindo!” Deixar o sentimento do lado de fora - mas eu sou molinha, não consigo ser diferente! E me derreto...
Mas... De repente eu penso.. bem de repente.… E se for ele? E se essa fuga for em vão? E se no final existir uma história que dure e que valha a pena? Bom, mesmo assim, pé no freio, sem pressa pra não errar, pra não doer… Meio a meio: Pode ser que sim, pode ser que não! Por isso, calma lá, garota! Continua olhando para os lados, retira a venda dos olhos, por favor! Tem vida lá fora!!

(Desconheço a autoria, porém, é um excelente texto.)

4 comentários:

Vítor Palmeiras disse...

Estava conversando sobre isso com uma amiga.

Ela me encontrou meio alcoolizado por aí, e disse que nunca tinha me visto assim, eu argumentei que era porque antes eu era feliz, pois estava com meu amor.

Ela disse que isso não existe, eu disse, existe sim, ela me tornava uma pessoa melhor, em "estado de graça".

Pura verdade.

Érica disse...

“…Que seja doce a espera pelas mensagens, ligações e recadinhos bonitinhos. Que seja (mais do que) doce a voz ao falar no telefone…” (Caio Fernando de Abreu)


Keo, adorei este texto, em especial! Você relatou com tanta clareza como é a sensação de estar apaixonado e de todas as expectativas que nos permeam...
Putzz... às vezes acho que sou só eu que sinto isso tudo... rs
Feliz em ter você como amiga!

Mais uma vez, brilhante texto!
T beeeijoo

Lora Pontes disse...

Keo, é exatamente essa sensação de estar apaixonada...as expectativas...os medos. Acho que todo mundo passa por isso pelo menos alguma vez na vida.
Mas mesmo com todos os receios...é bom demais estar apaixonada!!!!
E..." Que seja eterno enquanto dure..."

Tb estou sentindo muita falta dos nossos papos.
Beijos

Fabricio Carlos disse...

e no fim todos estamos falando do mesmo tema...
vc deve ter visto o meu post no Lâmina da Língua, combina certinho com o que o Vitor disse acima...

Bj