sábado, 1 de março de 2008

Narrativa Poética... "O Livro de Zenóbia"




Olá...


Que bom estar de volta!!!




De volta à minha missão... mostrar que a poesia (no caso de hoje, a linguagem poética) não é chata nem entediante... é uma viagem, se você se permitir ser levado por ela...




Fiz um estudo acerca de um livro da Maria Esther Maciel (autora citada no blog anterior), "O Livro de Zenóbia", quando concluí minha graduação, meu trabalho de conclusão de curso... Hoje, a dose de cultura é um trechinho do dito cujo...




É inegável que é um livro encantador... Uma série de pequenas narrativas impregnadas de lirismo, item inerente à poesia... o que resulta num texto quase musical!


O livro inicia-se com "As idades de Zenóbia"...



"Aos dezoito anos, Zenóbia tinha olhos ávidos e não usava óculos. Os cabelos, de um preto instável, pendiam em breves ondas sobre os ombros. Seu corpo magro lhe impunha uma fragilidade que não tinha. Sorria sempre .como se escondesse a face sob as sombras."



A sonoridade presente nas combinações de palavras remete às rimas poéticas... bom, quem não gosta de um texto bem-escrito?



O techo a seguir consta na seção "As horas felizes"...





" Em muitas noites era assim: ela já estava quase dormindo quando ele vinha passar a língua em sua nuca, de mansinho. Zenóbia abria os olhos, contraindo o corpo em arrepio. E nada dizia, por saber que é no silêncio que as coisas se abandonam, livres. Enroscava-se nas coxas dele, com um clamor na virilha, o corpo inteiro tremendo em calor, como se sentisse frio. A cada centímetro de pele buscavam - em lascívia - a vida sob a superfície. E tudo acontecia como se o amor fosse sempre à primeira vista."



A personagem, Zenóbia, é ficcional, porém, tem algo te tão humano, de tão feminino, de sentimento, que Zenóbia poderia ser Maria, Ana, a mulher comum...



O livro é como um caderno de anotações antigo, um álbum, um diário, um caderno de receitas, de lembranças, ou tudo isso junto... um memorial de uma personagem que pode não ter existido, mas a sentimos a cada linha... é tão singelo, tão simples, tão profundo...



Não tem como não ler... 15 minutos bastam para a primeira leitura, e a vida toda para reler...



Uma delícia de livro...



Bom, eu me apaixonei... entendo que muitos não são flechados pelo "cupido literário", mas a quem interessar...





Beijo grande e até a próxima!!!



Um comentário:

Carol D'Agostini disse...

Ah, muito obrigada!
Toda forma de expressão artística me interessa muito, sendo a poesia uma das minhas favoritas. Adoro o que uma combinação de palavras pode fazer... então resolvi criar um Blog para mostrar o que me faz amar a cada dia mais isso. Volte sempre que quiser, e comente sempre que puder :)
Opiniões são muito importantes.
Se me permitir, acompanharei seu blog também.
Abraços!