terça-feira, 7 de setembro de 2010

Diferentemente Iguais




Eles se conheceram, e conversaram e se gostaram.
Afinidades infinitas.
Sorrisos cativantes.
Eram "diferentemente iguais".
Namoraram alguns meses, e foi intenso e doce.

Romântico, divertido e sutil.

Eles eram o casal mais bonito.
O que mais combinava.

Ele a amava, e ela amava-o também.

Ele era o melhor, o mais perfeito.
Ela era a "perdição" dele.
Como amor de perdição... se perderam.

Uma pena.
Terminaram, se afastaram.
Seguiram suas vidas em caminhos diferentes.

Porém, vez ou outra se encontram, raramente.

Em ambos ainda existe o carinho, a admiração, o desejo.
Ambos se sentem balançados.

Ela prometeu a alguém, um dia, que cuidaria dele.
E cuida, à sua maneira.

E ele, como anjo que é, cuida dela também.

Cada um, à sua maneira, ama o outro.


4 comentários:

Fabricio Carlos disse...

esses seus casais tem uma tem sempre uma caracteristica em comum q me faz pensar o quão pessoal pode ser ou não...


bjs

Cleonice Braz disse...

Tá bom, admito... todos os meus textos com conteúdo amoroso são piegas...
Maaaaas... em breve começo a matar pessoas, aguarde.

Bjim

Érica disse...

"A diferença é o que temos em comum..." (Humberto Gessinger)


Belo texto... como sempre minha amiga querida! Mas sempre com um quê de suspensão, não, danadinha?! rsrs

T beeijo!

Fabricio Carlos disse...

eu não disse que era piegas....hunf!!!
prefiro comentar a frase que Érica colocou... impossivel eu não gostar...rs